Uma semana de Ella – dia 5

Eu não estava entendendo tudo aquilo.

Quando deixei a cidade e me deparei com todas aquelas cores percebi dificuldade de meus olhos ajustarem, estranhei. O roxo foi o que mais me chamou, nunca tinha visto nada parecido. O vermelho me era familiar, mas nunca achei que pudesse ser tão bonito. Não sabia que o céu podia ser azul. Até mesmo aquele branco era diferente. 

Foi quando me percebi livre.

 

Se hoje me sinto presa, lembro-me das flores.

 

 

, Ella A.

Uma semana de Ella – dia 3

chao

Vivo sozinha em uma casa térrea e bem pequena. O sol tem dificuldade para entrar pelas janelas estreitas e os cômodos estão sempre mal iluminados. Apesar do tamanho, a casa tem dois quartos, que não me servem de nada porque durmo na sala.

Quase não tenho pertences, convivo com aquela ânsia de fugir a qualquer momento, então prefiro não ter nada além de roupas, cadernos e uma mala. Qualquer outra coisa encontrada na casa são resquícios dos moradores anteriores, que preservei como forma de estabelecer uma ligação com suas histórias, são poucas coisas que me contam pouco, mas é o suficiente, acho.

parede buraco

O resquício que mais gosto é o buraco na parede de um dos quartos, há nele apenas um fio elétrico solto. Imagino que antes ligava algum abajur, em uma tentativa de clarear o ambiente. Todas as lâmpadas de dentro da casa são amarelas e bem fracas, e eu penso que naquele buraco, para variar, tinha um abajur de luz branca. Não sei explicar o porquê, mas pensar sobre isto me deixa feliz.

Já o piso quebrado do corredor me incomoda. Apesar de provavelmente ser resultado apenas de desgaste pelo tempo, aquele ladrilho faltando, os desencaixes… Aquele chão me remete a violência e isto me causa desconforto.

Meu lugar favorito é a janela da sala, que dá vista para a rua. Muitas histórias são contadas por aqueles personagens que transitam na minha frente. Aproveito as narrativas como espectadora até que eles escapam do limite da minha visão (emoldurada pela janela), aí então preciso sozinha contar como tudo continuou.

Eu gosto daqui, mas acho que não sentiria falta se fosse embora.

varal

, Ella A.

Uma semana de Ella – dia 2

só

quarta-feira/2013

Hoje é meu aniversário e minha casa vazia se enche da espera.

Batem a minha porta e aliso meu vestido com as mãos para tentar desamassá-lo. Repuxo os cantos da minha boca em um ensaio de sorriso e giro a maçaneta. É um vendedor de panelas. Ele não me deseja um feliz aniversário, mas assim mesmo eu compro um conjunto que não precisarei usar. Ele agradece pela compra e vai embora sem aceitar um copo de água.

Penso que preciso encontrar um dono para estas panelas fadadas ao esquecimento, mas hoje não. Hoje é meu aniversário. Sinto a necessidade de ficar por aqui, caso alguém se dê conta e queira me encontrar. Pode ser que alguém se lembre. Encosto-me na parede e me sento ao chão.

As horas passam, a casa em silêncio. Talvez eu devesse aceitar que ninguém vem.

Vou esperar mais um pouco.

O sol já foi embora, foi visitar o outro lado do mundo, também sem se dar conta da data especial. Na janela o escuro da noite me contempla e eu acho que uma personificação daquela noite saberia que hoje faço idade. O vento é barulhento, mas não diz nada. Talvez se eu sair da janela alguém apareça.

Talvez eu devesse aceitar que ninguém vem.

Sem bolo, pego uma vela branca e acendo-a. Faço um pedido em sussurro e sopro suavemente, a chama se extingue.

Espero mais um pouco.

Apago a luz e me deito no chão, permitindo o sono.

Amanhã não será mais meu aniversário, mas continuarei esperando que alguém venha me visitar.

, Ella A.

Uma semana de Ella – dia 1

Pediram para eu falar de mim.

Eu não sei.

Meu nome é Ella.

A. é o sobrenome. Quer dizer, não é tanto um sobrenome quanto eu gostaria que fosse. É o que trato como sobrenome.

Eu nasci e cresci em um lugar distante que sofria brutalmente com uma ditadura.  Era longe, tão longe que demorei meses, anos, segundos, uma eternidade para chegar aqui depois que fugi. Sim, eu fugi, não é possível viver para sempre em um lugar que lhe limita… Limitar não, porque limitações estão em todos os lugares… Não é possível viver para sempre em um lugar que não lhe permite.

A verdade é que fugi por não ser permitida, e agora eu que não me permito.

Ninguém quer saber disso.

Talvez o que mais fui privada foi de identidade. Os militares possuíam uma lista com nomes e a cada bebê que nascia era imposto aleatoriamente um, a mãe não possuía opinião até porque era afastada pouco depois de parir. Eu fui uma filha desta ditadura, e fui a primeira Ella: Ella A, o ponto eu acrescentei depois que fugi, queria acreditar que existia algo depois daquela letra.

A verdade é que não existe e o ponto não é ponto de abreviação, é ponto final.

No caminho (longo, como disse) que percorri depois que consegui sair de lá, conheci muitos lugares, bons lugares, com boas pessoas. Em cada lugar eu fiquei tempo o suficiente para saber se me bastava, mas eu nunca pertenci. Não que eu pertença aqui, eu só cansei de andar sem rumo e achei que talvez eu devesse tentar parar de achar um lugar e começar a procurar o alguém que sou. Eu achei que, impulsionada pela primeira fuga, eu não pararia de fugir, por isso me forcei a parar e fiquei, acabou que este foi o lugar.

Às vezes ainda quero fugir, mas eu não me permito.

Já disse, ninguém quer saber disso.

Sinto que as pessoas valorizam tanto a origem. Eu sei de onde vim, mas não sei quem sou… De que adianta?

A verdade é que não quero mais falar sobre mim.

Fala de você.

 

 

, Ella A.

Sam Terri

Sam é uma pessoa difícil.

Ela pode ser bastante imatura e um tanto dramática, tende a entrar em contradição e seu humor é de uma instabilidade nata. Sentimentos a atingem com uma intensidade imensa, e ela não sabe muito bem como lidar com eles, por isso tende a tomar atitudes impulsivas e impensadas. É autodestrutiva e parte do seu trabalho é usada para reconstruir seus pedaços quebrados no processo de autodestruição.

Dona de sua sexualidade, sente-se confortável com o próprio corpo e com o corpo dos outros. Estabeleceu forte vínculo com a nudez e formas corpóreas e gosta de utilizar-se delas em suas imagens.

Encontra-se confortável em ambientes noturnos, e já conheceu muitas personalidades interessantes deste imaginário. Aprecia expô-las em textos, mas em suas imagens a identidade é preservada: pessoas aparecem apenas como corpos,  porque  considera que o corpo basta como expressão. Sam se envolve muito com estas pessoas, possui uma relação concreta com aqueles que retrata ou escreve como personagem. Ela as conhece muito bem e tem necessidade de apresentá-las ao mundo.

Porém, ao mesmo tempo em que ela possui este entrosamento com outros, ela é uma pessoa muito absorta em suas próprias questões, egocêntrica. As outras pessoas são importantes apenas enquanto pertinentes a Sam, e seu prazer está mesmo em falar de si, mesmo quando falando dos outros.

 

Estou dizendo, Sam é uma pessoa difícil, muito difícil.