Reais demais

Foi estranho. Eu sentia que gostava de você de verdade. Gostei mais do que gostei de muita gente. E foi legal. Foi bem legal.

Só que passou.

Depois que passou, eu continuei tentando. Tentando porque eu queria acreditar que ainda era pra dar certo. Eu não tinha realmente motivos para parar de gostar de você. O sentimento só foi murchando… murchando…

Até que passou.

Comecei a sentir nojo de você. Eu estava bebendo toda noite que lhe encontrava, você não percebeu? Eu começava pouco antes de você chegar, para que quando eu lhe visse eu já não sentisse mais aquela aflição com o seu toque. Para eu poder enganar meus sentidos e sentir tesão. Se em algum  momento eu sentia que estava voltando pra realidade, eu bebia ainda mais.
Ia dormir agarrada em você, apagada.

As noites eloquentes. As manhãs… reais demais.

, Sam Terri

Anúncios

Revolução

Mulheres, vamos fazer uma revolução.

Primeiro de tudo, avisa pra todas que estamos juntas. Algumas ainda não perceberam isso e precisam da nossa paciência e didática, mas quando elas entenderem, elas virão para cá também.

Somos todas diferentes, temos urgências diferentes, mas estamos juntas.

Deixa claro que queremos é direitos e oportunidades iguais, respeito, autoridade e autonomia. Queremos não ter medo… e também queremos gozar.

Avisa que somos maioria da população, e lembre que a placenta foi onde todos se sentiram mais seguros.

Mulheres, vamos fazer uma revolução.
E ela já começou.

, Sam Terri

 

Voyerismo

Acho que tem dois tipos de voyerismo: aquele de quem olha por prazer, e de quem olha por curiosidade.
Eu digo isso talvez tentando justificar uma mania esquisita que eu tenho. Eu gosto de assistir pegações alheias.
De forma alguma é porque sinto tesão naquilo, ou porque eu queira participar. Bom, as vezes eu sinto sim tesão naquilo e as vezes eu queria sim participar. Mas a maioria das vezes é puro entretenimento.
Acho interessante observar a dança que os corpos fazem durante a pegação. Como dois entram em sincronia, ou não. Ver como se olham, se tocam, se cheiram. Como, na grande maioria das vezes, agem como se estivessem completamente sozinhos. Eu me sinto assim também quando me enlaço com alguém. Como se só fosse eu e a pessoa. Parece tão fácil esquecer a música alta, o cheiro de suor e cigarro e os bêbados gritando. Parece fácil não perceber os possíveis voyers, aqueles que as vezes olham por tesão, ou as vezes por curiosidade.

, Sam Terri

Tá corrido.

Rolou umas tretas aqui, vou ter que desmarcar. Mas vamos sim, a gente combina! Mas é que não dá esse mês, tá corrido. No próximo dá, mas talvez não no feriado. A gente vê mais perto. Tá corridíssimo. Não tô com tempo nem pra Madona. Perdoa a demora, vi a mensagem, respondi mentalmente, nem vi que não respondi. Você vai na festa da Julia? Mara, a gente conversa lá por uns 3, 4 minutos. Vai ser bom ver você! Quanto tempo, né? Vamo marcar uma cerveja. Não posso esse final de semana não, mas desse semestre não passa!

Falta de tempo na verdade é falta de organização, ou honestidade, ou interesse.

, Sam Terri

Ideia ruim

Eu não acredito em horóscopo, mas leio o meu todo dia. O daquela manhã me alertava: “cuidado com extravagâncias amorosas”, e naquela noite eu me declarei para você e viramos a madrugada de bar em bar, acabando de mãos dadas deitados na grama suja de um parque qualquer, vendo o sol nascer.

Apesar de todo o fervor, a gente já era uma ideia ruim. Não percebi isso quando fomos expulsos aos gritos do parque, segurando meu sutiã na mão. Mas estava claro: ideia ruim.

Eu devia acreditar mais no meu horóscopo.

, Sam Terri